ANTIGO TESTAMENTO

              

JÓ    

A apresentação claramente visível do livro - prólogo, discurso e epílogo, além dos ciclos dentro dos próprios discursos - demonstra-nos que se trata de uma interpretação teológica de certos acontecimentos da vida de um homem chamado Jó. Do começo até ao fim o autor procura com diligência responder a uma pergunta básica. Qual é o significado da fé?

Chefe tribal de extraordinária piedade e integridade, Jó é abençoado por Deus com prosperidade terrena que o converte no homem "maior do que todos os do oriente" (1:3). De repente, Jó sofre vários reveses de fortuna. Vítima de uma série de grandes calamidades, vê-se privado primeiro de seus bens e de seus filhos (1:13-19). Seu corpo se cobre de uma enfermidade repulsiva (2:7). Três amigos, que se apresentam com a intenção evidente de consolar Jó, insistem em que seu sofrimento é castigo pelo pecado , e por isso mesmo, seu único recurso é o arrependimento. Mas Jó repudia com veemência esta solução, afirmando sua integridade, e admitindo ao mesmo tempo sua incapacidade de entender sua própria condição. Outro amigo, Eliú, sugere que Jó está passando por um período de disciplina de amor ordenada por Deus, para impedi-lo de continuar pecando. Jó rejeita também esta interpretação. Finalmente, Deus responde às contínuas solicitações de Jó, de uma explicação direta de seus sofrimentos. Deus responde, não mediante uma justificação de sua conduta, nem mediante uma solução imediata, mas em virtude de sua apresentação de si mesmo com sabedoria e poder. Esta apresentação é suficiente para Jó; observa ele que, por ser Deus quem é, deve haver uma solução, e nela apoia sua fé.

Conquanto o tema do sofrimento e suas causas seja predominante no livro, este preenche um fim mais amplo na mente do autor: o de demonstrar que a certeza da fé não depende das circustâncias externas nem das explicações conjeturais, mas do encontro da fé com um Deus onipotente e onisciente.

 

Autor:

O livro não nos dá indicações certas do autor nem do tempo em que foi escrito. Embora muitos, atualmente, afirmem que foi escrito no exílio ou em época pós-exílio (sexto a terceiro século a. C), tradicionalmente tem-se fixado a data na época dos patriarcas (século XVI a.c.), ou nos dias de Salomão (século X a.C.).

 

_

Robert B. Laurin

Doutor em Filosofia e Letras

 

 

 

Cap.01 - A virtude, tentação e perdas de Jó.

Cap.04 - Elifaz repreende jó !!!

Cap.07 - Por ventura não tem ..

Cap.10 - Jó pede alívio à sua miséria

Cap.13 - Jó continua a sua defesa.

Cap.16 - Jó acusa a seus amigos de..

Cap.19 - Jó queixa-se da dureza dos.

Cap.22 - Elifaz exorta Jó ao ....

Cap.25 - Bildade sustenta que o ...

Cap.28 - O homem sustenta sua...

Cap.31 - Eliú acusa Jó de entender...

Cap.34 -  Eliú acusa Jó de falar...

Cap.37 - Deus deve ser temido pelos

Cap.40 - Respondeu mais o Senhor.

Cap.02 - A dversidade e cruel aflição de Jó...

Cap.05 - Elifaz exorta Jó a que...

Cap.08 - Bildade justifica Deus...

Cap.11 - Zofar repreende Jó.

Cap.14 - A brevidade e miséria da...

Cap.17 - O meu espírito se vai ....

Cap.20 - Zofar descreve as ...

Cap.23 - Jó deseja apresentar-se ...

Cap.26 - Jó repreende Bildade

Cap.29 - Lamemntação de Jó ao ...

Cap.32 - Eliú repreende Jó e os seus

Cap.35 - O bem e o mal não podem.

Cap.38 - Deus responde a Jó.

Cap.41 - Poderás tirar o anzol... 

Cap.03 - Jó amaldiçoa o seus nascimento e...

Cap.06 - Jó justifica as suas queixas

Cap.09 - Jó confessa a justiça ...

Cap.12 - Jó defende-se.

Cap.15 - Elifaz acusa Jó de ...

Cap.18 - Bildade acusa Jó de ...

Cap.21 - Os ímpios muitas vezes.

Cap.24 - Os ímpios, muitas vezes..

Cap.27 - Jó sustenta sua integridade

Cap.30 - O estado miserável de Jó...

Cap.33 - Eliú acusa Jó de ...

Cap.36 -  Eliú justifica a Deus.

Cap.39 - Sabes tu o tempo em...

Cap.42 - Jó arrepende-se



60 - O Poder da Palavras .                                        ...